quarta-feira, maio 21, 2008

Hoje

Familiares e amigos de José Adelino dos Santos reuniram-se para ouvir falar a Teresa Fonseca dos tempos da ditadura e de homens e mulheres exemplares que com a sua abnegação lutaram para que hoje todos pudéssemos estar no magnífico e recém inaugurado Arquivo Histórico Municipal.

Não posso, decorridos que foram poucos minutos daquele acontecimento, descrever o imenso orgulho deste meu tio-avô a quem me roubaram o direito e o imenso prazer de o conhecer.

Ficam as fotografias

A exposição

A conferência

O meu avô


A minha bisavó Mariana



A família de José Adelino dos Santos

Uma frase de Teresa Fonseca,
“Montemor-o-Novo não tem só um riquíssimo património histórico, cultural, monumental artístico. Montemor-o-Novo tem sobretudo um riquíssimo património cívico e político. Montemor-o-Novo é um exemplo de cidadania”

E um imenso obrigado a quem nos proporcionou este momento.

Quem não foi perdeu uma brilhante lição de história do século XX!

3 comentários:

Prophet of Disaster disse...

E um imenso obrigado ao fotógrafo da foto de família, não? Vê lá se queres que faça uma denúncia à MegaCensura?

Já agora aproveito para deixar o pequeno testemunho do meu pai que também esteve presente na manif em 1958, tinha ele 13 anos. Era moço de recados e quando soube da manifestação a pedir as 8 horas de trabalho, foi até lá. Viu a praça cheia de trabalhadores a gritarem "TEMOS FOME!" e os GNR no meio, a cavalo, de capacetes e espadas em punho e, de repente, viu vir um sargento "não sei quantos" (não se lembra do nome), num jipe Willys a virar a esquina junto ao chafariz da Rua Nova em tão alta velocidade que até ia atropelando várias pessoas. Terá sido esse sargento que depois terá morto o teu parente. Quando já ia embora e estava na zona da Guarita, foi quando ouviu os disparos e fugiu para o escritório do Carlos Monteiro, o solicitador, no largo da Biblioteca. E depois descreveu o tal ambiente de medo e de pessoal a ser preso, etc. Outro facto engraçado é que o amigo do teu parente, um tal de António Piteira, que a prof. Teresa Fonseca disse que o tentou socorrer e ainda gritou para a GNR "MATEM-ME A MIM TAMBÉM!!", era o primo do Reguengo do meu avô Joaquim Piteira. E esta, hein? O mundo é mesmo pequeno e Montemor ainda mais.

Pronto, é isto. Já sei aonde é que você foi buscar o gene contestatário! eh eh

MonteMaior disse...

Muito bem, profeta.

É de mais testemunhos destes que precisamos. Quantos mais melhor. Andam a branquear o fascismo e é preciso que todos os que viveram nesse tempo deixem o seu testemunho, para que não se volte atrás.

É deste meu gene contestatário que eu muito me orgulho. Pena tenho eu que este gene não tenha chegado a uma certa pessoa. (lol)

Acho que no fim de semana vou aturar mais uma dose de Megacensura!

Noticias de Montemor disse...

Oláa, Boa tarde!

O Noticias de MOntemor está interessado em publicar um texto sobre esta conferência e a vida do seu avô.

Caso possa escrevê-lo terei todo o gosto em publicar. Muito Obrigado

O Editor

Pedro Gama