terça-feira, dezembro 22, 2009

segunda-feira, dezembro 21, 2009

Tão boas intenções para este blog e tanta falta de tempo...

quinta-feira, dezembro 10, 2009

segunda-feira, novembro 23, 2009

No sábado à noite foi assim



Quem lá esteve sabe o que se passou!
Quem não esteve não sabe o que perdeu...

terça-feira, outubro 20, 2009

sábado, outubro 03, 2009

A Torre do Relógio



Esta imagem é de 1941 e foi retirada do magnífico site da ex Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN). Como diria uma famosa música de um grupo folclórico da terra "o que é bom acaba e o que é mau atura" mas isso é outra estória.

Esta fotografia foi tirada poucos anos antes do início das intervenções da DGEMN.
A muralha Norte do Castelo ainda se encontra em ruínas. Não é visível o adarve nem as ameias que hoje se podem observar. Obviamente a escada de acesso ao adarve também não existia.

No entanto, pode ver-se um pequeno edifício de cor branca que encosta quer ao troço de muralha quer, ao que parece, à própria torre. Tem uma porta e por cima parece existir um terraço que dá acesso à escada, ainda existente, que conduz à casa da máquina do relógio. Penso também que seria deste terraço que se acedia à porta da torre.

Desta construção não existem quaisquer vestígios actualmente uma vez que, segundo julgo, deve ter sido destruída aquando das obras referidas anteriormente.

Seria apenas uma protecção no acesso à torre?

Será contemporâneo da torre, ou uma construção posterior?

Serão os cunhais que se podem ver na imagem acima delimitativos da construção ou serão já das obras posteriores?

domingo, setembro 27, 2009

My favorite things

Paisagem ideal

Raindrops on roses and whiskers on kittens
Bright copper kettles and warm woolen mittens
Brown paper packages tied up with strings
These are a few of my favorite things

Cream colored ponies and crisp apple streudels
Doorbells and sleigh bells and schnitzel with noodles
Wild geese that fly with the moon on their wings
These are a few of my favorite things

Girls in white dresses with blue satin sashes
Snowflakes that stay on my nose and eyelashes
Silver white winters that melt into springs
These are a few of my favorite things

When the dog bites
When the bee stings
When I'm feeling sad
I simply remember my favorite things
And then I don't feel so bad

quinta-feira, setembro 24, 2009

Ai caraças

que o silo nunca mais acaba e eu tou tão cansada.
E tão farta de partir barro.
E tão farta de achar 3 míseros caquitos por dia.
E tão farta de tar metida num buraco fundo a manhã inteira.
E tão farta de ter de usar capacete de trolha.
E tão farta de ter que subir baldes.
E tão farta de sair do silo, olhar lá para baixo e ter vertigens.

Tou a ficar farta do silo.
Acho que vou desistir da ideia (algo mirabolante mas interessante) de fazer uma campanha especial de silos.

sexta-feira, setembro 18, 2009

Socorro

Preciso de silêncio.
Não aguento mais isto.
Eles que desenvolvam os seus projectos.
Mas com menos barulho.
Se isto durar mais um dia, ponho baixa...

TOU FARTA DISTO!!!!

segunda-feira, setembro 14, 2009

Tem dias

em que o meu local de trabalho é tão divertido...
Pode não ser muito seguro, mas é muito divertido!

sexta-feira, setembro 11, 2009

quinta-feira, setembro 10, 2009

O cúmulo do azar é

escavar um silo cheio de peças inteiras lindas dos séculos XIV e XV e chegar ao fim e encontrar um caco de faiança do século XVII.
E não, não caiu de lado nenhum. Estava lá, na terra do silo. Encontrei-o eu.
Damn it.

quarta-feira, setembro 09, 2009

A primeira referência à receita do Coelho à S. Cristóvão?

Só faltam os coentros.




in R.P. Foster (1818) - "Collection of the most celebrated voyages and travels from the discovery of America to th present time", pp. 306;

in Googlebooks

sexta-feira, setembro 04, 2009

Dia Fatídico

Na próxima segunda-feira vai acontecer uma coisa em Montemor que eu nunca julguei possível.

Ainda não acho possível...

Por várias razões.

Porque se abre um grave precedente!

Por causa das somas astronómicas envolvidas num evento de pouco mais de uma hora!

Não compreendo, não acredito, não quero compreender nem acreditar!

sexta-feira, agosto 28, 2009

Agradecimento e pedido

Agradeço publicamente à pessoa que durante a tarde de ontem ou a noite de hoje retirou do silo uma peça inteira e a deixou na escavação ao lado do sítio de onde a retirou.
Mas, para a próxima, se a houver, limite-se a observar e a não mexer. Estará a danificar e a destruir para sempre realidades e informações arqueológicas que nunca mais poderão ser repostas.
Para além disso, e tendo em conta o sítio de onde a peça foi retirada, poderá estar a por em risco a sua integridade física.
Obrigado.

terça-feira, agosto 18, 2009

A sofrer II

De dor de costas

e de

nervos.
NERVOS!!!!!!

(ai a minha vidinha)

segunda-feira, agosto 03, 2009

A sofrer

da ressaca das fotos.
Vou de férias sem a minha máquina.

O QUE SERÁ DE MIM????????

e a dúvida persiste
P90 já
ou
D5000 dentro de alguns meses???
Somebody help me...

Ai a minha vidinha...

domingo, julho 19, 2009

Prisão em si



Erguiam escadas



Partiam muros



E agora quem se lixa sou eu que tenho que interpretar a lógica urbanística dos pseudo-arquitectos de há quinhentos anos.

Não me queixo. É mesmo disto que eu gosto. Está linda a escavação.
E eu que já andava de olhos postos noutro local, reapaixonei-me por este e agora só me apetece escavar aquilo tudo.

Tivesse eu o luxo de poder contar sempre com uma equipa como a do turno passado e em dois meses não sei onde chegaríamos.

OBRIGADO!
(voces sabem quem são)

quarta-feira, julho 08, 2009

É bom quando

3 dias depois de começar se começam a rever teorias...
É bom!
É mesmo muito bom!

terça-feira, junho 30, 2009

Era uma vez

uma jovem arqueóloga que trabalhava num castelo encantado.

Apesar de muito bonito, esse castelo possuía monstros terríveis que assustavam o mais temerário dos heróis.

A nossa arqueóloga, apesar de corajosa, vivia atormentada com a possibilidade de se encontrar um dia com um desses monstros horrendos. Na verdade fazia-se de forte pegando e brincando com um monstro de madeira que aterrorizava a sua colega turista, apenas para exorcizar o pavor que tinha desses bichos. Este exercício revelava-se sempre bastante gratificante e divertido para a nossa jovem arqueóloga e para todos quantos assistiam ao fabuloso espectáculo da nossa querida turista a correr, a saltar e a gritar à frente da jovem arqueóloga que a perseguia com o monstro articulado de madeira na mão.

- PARA, PÁRA, PÁRA COM ISSO JÁ OU VOU-ME CHATEAR!

Dizia a turista horrorizada.

Mas divertido, divertido era quando a nossa jovem arqueóloga e seus compinchas do crime escondiam o monstro debaixo de cadeira, dentro de uma gaveta ou até mesmo no interior da mala da turista. Os seus gritos, quando descobria o monstro articulado de brincar, ecoavam pelas muralhas do castelo encantado, havendo até testemunhas que a dizem ter ouvido na cidade.

Havia também depois a jovem da luva branca que temia pela sua vida sempre que se deparava com os pega-monstros que se passeavam vagarosamente pelas paredes brancas do castelo encantado. Mas, corajosa como era, nada temia e consta que vai agora trabalhar para um país tropical cheio de monstros jurássicos.

Às vezes apareciam monstros voadores que mais não eram que descendentes do temível arqueopterix. Estes aparecimentos repentinos levavam a jovem arqueóloga e a jovem desenhista a refugiarem-se o mais rápido possível no interior de um dos salões do castelo, até que um dos seus colegas patrimónicos ou espacio-temporais as viesse salvar, mandando os pequenos monstros nojentos para o quinto dos infernos.

Os monstros apareciam em todos os locais. Até nos salões onde habitavam as nossas heroínas. Um dia, ao deslocar um quadro de uma parede, a jovem arqueóloga começou a ver umas patas, e depois mais um par de patas, e mais patas, e ainda mais patas. Patas grandes, patas pequenas, patas adolescentes e patas bebés. Era um sem fim de patas que só foram dizimadas pela acção do sapato de um herói inesperado.

Por vezes, os habitantes do castelo encantado encontravam monstros nunca antes vistos e completamente desconhecidos do mundo da ciência. Sonhavam até que um dia, David Attenborough viesse até ao castelo encantado realizar um dos programas da série BBC, Vida Selvagem. Aí sim, todo o mundo saberia o sofrimento e o horror que ali se vivia com toda a espécie de monstros malvados e prontos a atacar quem lhes fizesse frente.

Mas as nossas heroínas e mais uns quantos trabalhadores sazonais tudo faziam pelo bem do seu querido e amado castelo.

Houve até uma altura em que enfrentavam diariamente um exército de centenas de milhar de moscas assassinas, para resgatar dos confins do seu castelo tesouros escondidos há milhares de anos pelos seus antepassados temendo a tomada de poder pelos monstros mutantes que já nessa altura habitavam o castelo encantado.

Mas, voltemos à história da jovem arqueóloga.

Um dia, de manhã, pela fresca, que é quando os monstros se encontram ainda recolhidos nas suas tocas, saiu do seu castelo a jovem e destemida arqueóloga.

A manhã tinha sido calma e o dia apresentava-se ligeiramente enevoado, mas com uma temperatura agradável.

Depois do café e da volta matinal pelos mails, a jovem arqueóloga recolheu toda a documentação que precisava e saiu feliz e contente do palácio do interior do castelo.

Como já era verão e o calor tinha apertado nos dias anteriores, a jovem arqueóloga calçava umas lindas sandálias abertas que protegiam os seus frágeis pés de princesa.

Ia a jovem arqueóloga a dar a curva de acesso ao arco que a levaria para o meio da selva onde já se encontravam a jovem das luvas brancas e o jovem patrimónico a lutar furiosamente contra os monstros vegetais, quando de repente…

O PIOR ACONTECEU!

A jovem arqueóloga sentiu algo a mexer nos pés.

Calma. Pode ser só uma pedra. Pode ser uma erva. Pode ser uma pena. É de certeza uma simples pena de um passarinho.
Pensou a jovem arqueóloga.
Sim, seria uma pena.
Talvez a pena caída de uma das tantas andorinhas que por ali esvoaçavam.
O toque tinha sido muito rápido e subtil.
O que mais poderia ser? Os monstros não andam assim em terreno aberto onde podem ser atacados pelas armas automáticas dos guerrilheiros do castelo encantado.

E depois…

Numa fracção de segundo…

A jovem arqueóloga olhou para o chão…

Algo se mexeu rapidamente…

AAAAAAAAHHHHHH!!!!!

E o seu coração parou…

É o fim, pensou!

O meu coração não vai aguentar tamanho horror.
Morrerei!
Mas morrerei lutando contra este monstro aterrador que os meus olhos veêm!


O seu corpo estava hirto. Nada se mexia.

O fim aproximava-se rapidamente!

Mas então, algo de extraordinário aconteceu.

A jovem arqueóloga conseguiu mexer os olhos e olhou para o chão.

E viu.

E viu que o monstro horrendo que a atemorizava lutava desesperadamente para se esconder.

O monstro era uma pequena cobra, cinzenta às bolinhas amarelas, que também ela estava aterrorizada e que só queria sair dali e ir para um sítio onde nenhum humano a pudesse ver, nem por-lhe um pé em cima, nem mandar-lhe uma pedra, nem fazer-lhe mal.

A jovem arqueóloga ficou ali, quieta, para não assustar a pequena cobra, observando como ela serpenteava em direcção a um lugar seguro para se esconder e nunca mais na sua vida ser vista por um humano.

E assim termina a história da jovem arqueóloga no seu castelo encantado.

Esta história é dedicada á jovem turista e a todos quanto lutam por um futuro de paz entre homens e animais.

(De preferência sem touradas nem patas partidas a pombos para lhe tirar anilhas)

Por causa dele

Vou comprar uma coisa que disse nunca compraria.

Um dvd dos Gormits.


Tudo para o ver feliz...

"Lavana no rio, Cabania"

domingo, maio 24, 2009

Uma das melhores, senão a melhor

definição do trabalho de um arqueólogo:

"Imagine-se um cenário teatral, onde decorre uma acção e sobre o qual a luz dos projectores incide apenas a espaços. A maior parte do enredo desenrola-se na penumbra e ouvem-se algumas vozes, nem sempre perceptíveis. No final somos obrigados a tentar reconstituir o conjunto da narrativa, apesar dos dados serem insuficientes e de não termos conseguido visualizar a maior parte das coisas que aconteceram"

MACIAS, Santiago (2005) - "Mértola. O último porto do Mediterrâneo", Vol. I, Campo Arqueológico de Mértola;

quinta-feira, maio 21, 2009

Agradecimento II

Já que estou numa fase de agradecimentos, aproveito também para agradecer aqui publicamente ao meu banco, o facto de nos próximos seis meses ser roubada em menos 249 Euros, que aquilo que estava a ser roubada nos seis meses anteriores.

Muito obrigada pelo desconto no roubo.
Fico muito agradecida!

Espero que os assaltos mensais à minha conta bancária continuem a contribuir para o contínuo aumento dos vossos lucros!

A bem da saúde financeira do banco!
A bem da crise!
A bem da nação!

O prometido é devido

Venho aqui agradecer publicamente aquele senhor engenheiro que mora em S. Bento pela devolução a tempo e horas, aliás como ele tinha prometido, do meu I.R.S.

Não, não estou a ser sarcática.
Hoje dia 21 de Maio, ao consultar a desgraça que presumia ser o meu saldo, dou por mim felicissíma, ao ver que me tinha sido devolvida uma pequena parte daquilo que paguei, em 2008.

Muito obrigado senhor engenheiro!
Era tão bom se cumprisse sempre o prometido. Ah como seria bom...

sexta-feira, maio 15, 2009

Juan Zozaya homenageando Rosselló-Bordoy

Não percebo

o que falta a este sítio





para ser património da humanidade....

beleza, calor e investigação arqueológica em quantidade e qualidade não será de certeza!

sexta-feira, abril 24, 2009

E depois do adeus

(ou o primeiro adeus à ditadura)

quinta-feira, abril 23, 2009

sexta-feira, abril 17, 2009

domingo, março 29, 2009

quinta-feira, março 26, 2009

terça-feira, março 24, 2009

Porque nem tudo são voos nem sonhos

desafio-vos a ver este documentário elaborado pelos nossos vizinhos espanhóis acerca do Campo de Concentração do Tarrafal.

Poderá não ser fácil de ver, mas julgo que é necessário.
Para que não se esqueça...



Os Alpes

Partida: Zurique


Local da despenhagem: algures entre Pádua e Veneza.
Muito giro

Nova Iorque

Saí do JFK, sobrevooei Manhatan, dei a volta, passei por Long Island, voltei para trás e despenhei-me a poucos metros da pista de um aeroporto.

Raios.

E assim se passa a hora de almoço. Vou almoçar.
À noite há mais viagens.

Aventuras no Google Earth

Levantei voo de Katmandu e sobrevooei, nas calmas, os Himalaias. É lindo.
Mas despenhei-me, a grande velocidade, algures no meio de uma planície.

Buahhhhhhhh!

Acabei de aterrar um avião no meio de uma cidade!

Será que sou terrorista????

Despenhei-me

Heathrow

é um aeroporto muito perigoso!
Não dá para mim.

Vou experimentar levantar voo de Los Angeles.














Acabei de fazer um voo rasante a umas montanhas, mas safei-me.
Los Angeles é muito melhor que Heathrow.


Vou tentar aterrar o o bicho.

Até um dia

Realizei um dos meus sonhos de adolescente

Acabei de pilotar um F16.

Uauuuuuuuuuuuuu.
Fantástico!
Espectacular!


















Pena que já me tenha despenhado.

O Google Earth é o máximo!

sábado, março 07, 2009

No Brasil, um bispo católico excomungou dois médicos que fizeram um aborto a uma criança de nove anos, violada pelo padrasto.

O violador não foi excomungado.

Que instituição e que valores são estes?

sexta-feira, fevereiro 27, 2009

Acho

que aquela disciplina que tantas dores de cabeça me tem dado está feita.
Acho!

sexta-feira, fevereiro 13, 2009

quinta-feira, fevereiro 12, 2009

Pensamentos

De Arafat, cravo vermelho e com o meu vestido preto, eu nunca me comprometo!

Ou comprometo????

E o que me apetecia amanhã

ter um cravo vermelho!

Let the show begin

terça-feira, fevereiro 10, 2009

quarta-feira, janeiro 28, 2009

terça-feira, janeiro 20, 2009

Hoje


por breves segundos, nevou em Montemor.

sábado, janeiro 10, 2009

Quando

vamos ter aulas e afinal não temos, aproveita-se, faz-se o gosto ao dedo e tiram-se umas fotografias