sábado, maio 31, 2008

Nem tudo é mau

A chuva vai permitir-me passar o segundo fim-de-semana seguido em casa.
Já lá diz o proverbio:
"Sem verão não há escavação".


Mas já farta um bocadinho. Eu que até gosto muito de chuva, e que ando sempre muito preocupada com o problema da seca e que prevejo sempre cenários terríveis de falta de água, já estou um bocadinho farta da chuva.

Bem, eu até nem me importava que chovesse, o que eu preciso é de Sol!

Ouviste S. Pedro

EU PRECISO DE SOL, SOL, SOL, SOL!!!!

quinta-feira, maio 29, 2008

Primavera e não só


Olhos postos na terra, tu virás
no ritmo da própria Primavera
e como as flores e os animais
abrirás as mãos de quem te espera


Eugénio de Andrade


Vêm Primavera,
Vêm, por favor!

terça-feira, maio 27, 2008

Trovas ao S. Pedro

S.Pedro parvalhão

és um grande aldrabão

Deixa lá vir o verão

assim é que não

ou apanho uma depressão

domingo, maio 25, 2008

Constatações (II)

A internet devia ser abolida!

Ando para aqui a vaguear há horas, quando devia estar a estudar!

quinta-feira, maio 22, 2008

Há dez anos e um dia

estava assim




Não no meio deste maralhal, mas sim nas escadas da minha Faculdade que é onde pertencemos - a grande FLUL.


Notinha: Sim eu tenho 25 anos e há dez anos e um dia estava aqui. Eu sempre fui muito esperta e inteligente. Sobredotada, até!

Troco

joelhos e pés de arqueóloga em mau estado

por

joelhos e pés de qualquer outra profissão em bom estado

Que raio. Quando podia estar descansadinha a escavar ao pico e ao colherim os joelhos e os pés começam a queixar-se valentemente!

Mas será que eu só sou boa para escavar à picareta?

Ainda bem bem que a minha escavação não é de Pré-história

quarta-feira, maio 21, 2008

Hoje

Familiares e amigos de José Adelino dos Santos reuniram-se para ouvir falar a Teresa Fonseca dos tempos da ditadura e de homens e mulheres exemplares que com a sua abnegação lutaram para que hoje todos pudéssemos estar no magnífico e recém inaugurado Arquivo Histórico Municipal.

Não posso, decorridos que foram poucos minutos daquele acontecimento, descrever o imenso orgulho deste meu tio-avô a quem me roubaram o direito e o imenso prazer de o conhecer.

Ficam as fotografias

A exposição

A conferência

O meu avô


A minha bisavó Mariana



A família de José Adelino dos Santos

Uma frase de Teresa Fonseca,
“Montemor-o-Novo não tem só um riquíssimo património histórico, cultural, monumental artístico. Montemor-o-Novo tem sobretudo um riquíssimo património cívico e político. Montemor-o-Novo é um exemplo de cidadania”

E um imenso obrigado a quem nos proporcionou este momento.

Quem não foi perdeu uma brilhante lição de história do século XX!

S. Pedro

apetecia-me algo!

Talvez fotosíntese!


Eu sei que esta conversa já farta, mas eu também já estou farta deste tempo.

E é que não há melhoras à vista, chiça!

terça-feira, maio 20, 2008

Arqueologia vs. retroescavadora

Anda, nos meios arqueológicos nacionais, instalada mais uma grande polémica. Desta vez acerca do uso de retroescavadoras em escavações arqueológicas.

Há uns anos atrás, a minha pessoa, ainda muito verdinha nestas coisas da arqueologia, ouviu, de um conceituado arqueólogo da nossa praça, que deveria experimentar utilizar uma retroescavadora ou uma bobcat para retirar a primeira camada de terra nas escavações do castelo. Não lhe disse que não, quem era eu, mas pensei para os meus botões, que retroescavadora ou fosse que máquina fosse em escavações minhas, nunca na vida!

Na campanha de verão de 2006, o inferno desceu à sondagem de M.P., sob a forma de um portentoso entulho do século XVII constituído por enormes pedregulhos e argamassa. Os materiais eram escassos e terra nem vê-la. Só pedras, argamassa e algumas, poucas, telhas.

Durante cerca de um mês, todos os rapazinhos com um corpito mais avantajado eram sucessivamente deslocados para o chamado “campo de concentração”.

Imploraram-me por uma máquina. Que não conseguiam, que estavam esgotados, que tiravam entulho, entulho e o entulho nunca mais acabava.

Quase sucumbia à tentação cada vez que olhava para o estado deplorável daqueles moços depois de algumas horas de escavação. Mas insisti que não. Pelo menos até se encontrar um nível de pavimento, a escavação teria que ser feita à força de braços.
E o pavimento lá apareceu, dois metros e meio de entulho, depois.

No Inverno de 2006/2007, vi-me obrigada a conviver de perto com uma retroescavadora num acompanhamento de obra de grandes dimensões, também no Castelo.
E uma semana depois de iniciados os trabalhos, o condutor da retroescavadora já distinguia quando a pá da máquina batia numa pedra solta ou naquilo que poderia ser uma estrutura. Parava a máquina, quando via um caquinho minúsculo, quando via uma camada de terra de cor diferente e colocava milimetricamente a pá da máquina onde pedíamos.

E neste acompanhamento identificámos dezenas de muros, pavimentos em terra batida, ruas, 3 cisternas, uma necrópole a dez centímetros de profundidade e “otras cositas más”. E tudo correu muitíssimo bem.

É evidente que apesar de também termos prazos a cumprir estávamos muito longe dos ambientes normais de acompanhamento de obra e de empresas de arqueologia.

É evidente também que nem todas as máquinas são conduzidas por um Sr. J.M.!
É também importante dizer que para uma retroescavadora tínhamos vários arqueólogos e enquanto uns limpavam estruturas e faziam registos, os outros podiam estar a acompanhar os trabalhos da máquina.


Tempos de ouro esses, em que tínhamos uma equipa de 6 pessoas no campo, mais uns quantos voluntários que iam aparecendo e duas pessoas no gabinete!

Não quero, nem posso, por isso comparar a minha experiência com a de tantos arqueólogos que por esse país fora que sofrem à frente de uma retroescavadora.

Mas este acompanhamento permitiu-me perceber que a utilização de um bichinho destes numa escavação arqueológica pode ser muito útil desde que sempre acompanhada por vários pares de olhos e conduzida por uma pessoa experiente e minimamente interessada pela arqueologia.

E foi assim que na campanha de 2007, venci os meus medos, e se utilizou uma retroescavadora nas escavações.

E em 15 dias foram retirados metros e metros cúbicos de entulho. Se não fosse à máquina seria impossível continuar com as escavações naquele local e a dúvida persistiria para sempre acerca da funcionalidade daquele possível grande edifício.

Por isso acredito sim, que se pode e deve utilizar meios mecânicos numa escavação arqueológica. No entanto é preciso conhecer muito bem a estratigrafia do local, ter absoluta confiança no operador da máquina e nas pessoas (arqueólogos) que a controlam.

Uma retroescavadora não é nenhum bicho-de-sete-cabeças e muito menos é inimiga da arqueologia. Pelo menos em certos casos!

Dentro dois meses

quando estiver a destilar,

vou-me arrepender do que estou aqui a escrever.

Mas eu agora só quero mesmo é sol e calor!!!


Please!!!

Este tempo deprime-me!

segunda-feira, maio 19, 2008

Os meus queridos coleguinhas

Espinete e Pipá vão para o campo fazer prospeção e voltam com uma rosinha para as meninas que ficaram no gabinete.

São uns fofinhos!

Assim vale a pena voltar de férias.

É pena os blogs não terem cheiro!

domingo, maio 18, 2008

Eu gostava de saber

quando é que posso começar a vestir a minha roupa de verão?

sábado, maio 17, 2008

Quando

as notas de um teste não espelham aquilo que realmente sabemos

fazemos outro teste, que não estava previsto, para que possamos baixar as notas e assim mostrarmos aquilo que valemos.

Estranho não é?

Somos todos uma cambada de burros que tiveram todos uma sorte do caraças e se saíram quase todos com altas notas que não mereciam.

E os culpados somos nós que afinal até percebíamos um poucochinho daquilo, ou a culpa é de quem fez o teste que parece que era fácil demais, atendendo às notas?

E o burro sou eu????????

Sinto-me enganada que passei uma semana a matar-me em cima daquela m..da daquele programa. Tive uma boa nota e agora sou (somos) prejudicada!

Ainda gostava de perceber a lógica!

fuck

quarta-feira, maio 14, 2008

É horrível

quando o nosso corpo nos quer fazer acreditar numa coisa.
E quando, 19 desilusões depois, nós ainda acreditamos que pode ser desta.

Porque a esperança nunca morre e o sonho vai realizar-se!

E não é que

o senhor se redimiu....

E até vai deixar de fumar.

Ele e eu

terça-feira, maio 13, 2008

Parece que as leis

são só para alguns.

Enquanto o povinho tem de vir para rua, apanhar frio, se quiser fumar um cigarrito, o sr. primeiro-ministro fuma num avião da Tap, que de privado não tem nada porque foi pago por todos nós.

Não é que eu ache mal que o nosso querido e amado Sócrates fume.
Pelo contrário.
Eu acho que ele deve fumar.
Eu espero que ele fume muito.
Se for preciso eu até contribuo com uns macinhos de tabaquinho para o senhor.
E acho ainda melhor que ele fume em lugares fechados, bem fechados para a porcaria ir toda directa para os seus pulmões.
Só é pena é não ter pegado fogo ao avião.

domingo, maio 11, 2008

Torre da Gadanha - Montemor

Hoje, de manhã, voltámos a fazer o percurso a pé da antiga estação de Caminho-de-ferro até Montemor, pela actual eco-pista.

Chegámos à Torre com alguns minutos de atraso


Mas ainda a tempo de ver passar comboio



Diz a organização que participaram mais de 200 pessoas.

Começámos todos muito juntinhos
A paisagem é linda, como tudo em Montemor

A meio do caminho já ia tudo mais disperso

Vimos ao longe a Ermida de S. Mateus
e campos coloridos

Eis que começamos a ver o sítio mais bonito do mundo

uma cegonha
e o sítio mais bonito do mundo revela-se em todo o seu esplendor e grandiosidade
A ponte estava já à vista. Mas só para os corajosos e sem vertigens

porque euzinha, fui dar mais um passeiozinho para fugir à ponte

Mas valeu a pena



Há gente com muita coragem!!!
Tive tempo para umas fotos no antigo lavadouro

E, 14 Kilómetros e duas horas e meia depois, chego finalmente ao jardim da estação

E enquanto uma certa pessoa dorme desde as 3 da tarde, euzinha arrumei metade da casa e estou há duas horas a fazer uploads de fotos.

sexta-feira, maio 09, 2008

Tive 15

tive 15
tive 15

tive 15



Obrigado Chocolate Mars!

Elogio ao chocolate Mars


Já disse aqui ontem que desde 1999 não fazia um teste. Pois, desde para aí 1997, que antes de um qualquer teste tinha como ritual comer um chocolate Mars. Não sei porquê o Mars, porque até gosto mais do Twix. Por vezes eu e a minha amiga F.B, dividíamos irmãmente uma lata de leite condensado que comíamos à colherada.
E acho que desde 1999 que não comia um chocolate Mars.
Hoje, 5 minutos antes do teste de Sig, cumpri o ritual dos tempos da licenciatura da FLUL e comi um chocolate Mars.

Não sei se foi do chocolate, mas o teste correu-me bem melhor do que estava à espera. O teste de Sig adivinhava-se como o maior desastre da história da minha vida académica.
Ainda não percebi muito bem como é que consegui fazer aquilo.
Nada de grandes expectativas. Afinal a parte teórica está muito mal feita.

O chocolate Mars é mesmo um poderoso ajudante de neurónios.
E como estou aqui a fazer publicidade, bem que a marca me poderia patrocinar alguns chocolatinhos, para futuras investidas no SIG.

quinta-feira, maio 08, 2008

o último teste que fiz foi em 1999

SIG

Sig é um sistema de informação geográfica. O Sig é muito importante porque dá para fazer muitas coisas, com imagens, plantas, mapas etc.

o arcgis é o programa que dá para fazer essas coisas todas do Sig. Tem layers, dataframes, feature classes, geodatabases e mais coisas.

And that's all I know.....
Oh my God, I'm so very clever

E o teste é amanhã. LOL

Constatações (I)

ou mais uma desculpa para não estudar Sig.


"A cera facial veet não remove pêlos muito curtos".

Teremos assim que deixar crescer uns farfalhudos bigodes para que dê resultado?

Mulher sofre. Apre!

Memórias. O Monte do Marquinho (1)

Ou todas as desculpas e mais algumas para não estudar Sig.

Guardo do Monte do Marquinho as memórias mais felizes da minha infância.
Foi aqui que morei dos dois aos sete anos. E era apara aqui, para a casa dos meus avós, que vinha nas férias grandes, e em todas as outras férias escolares, feriados ou sempre que não tivesse escola.

Era aqui que me sentia verdadeiramente feliz, embora acho que não tivesse consciência disso.
Na casa dos meus avós não havia água canalizada nem casa de banho.
Íamos ao poço buscar a água em cântaros de barro. Havia também uns cântaros maiores de plástico azul, mas esses por serem muito pesados, só o meu avô é que os utilizava. Eu tinha uma cantarinha de barro e um pequeno regador verde-claro que utilizava para ajudar a carregar a água, a regar as flores da minha avó e a dar água aos cães, galinhas e coelhos.

A questão da casa de banho era mais complicada. Primeiro tomávamos banho nuns grandes alguidares de plástico. Para nós, crianças, o alguidar era colocado no meio da cozinha que funcionava também como sala de estar e que era também a casa de entrada. Os adultos tomavam banho nos quartos.
Depois o meu pai e o meu avô fizeram uma espécie de uma barraca de madeira nas traseiras da casa com pouco mais de um metro quadrado, pelo que me lembro. Numa das paredes colocaram um balde de alumínio em que fizeram um furo para colocar o bico de um regador com uma torneira. Esse balde de alumínio deveria ter capacidade para cinco a dez litros. Quando queríamos tomar banho íamos buscar a água às panelas de ferro que estavam sempre ao lume, cheias de água. Depois com água fria amornávamos a água. E assim tomávamos banho com cinco ou dez litros de água. Lembro-me que quando entrei para a escola primária que ficava perto da nossa casa eu era das únicas, senão a única que tomava banho de chuveiro – aquilo a que hoje chamamos duche.

Quanto às outras necessidades, pois…
De noite utilizávamos um penico de faiança branca que se colocava debaixo da cama ou dentro de um compartimento próprio que existia nas mesas-de-cabeceira daquela altura. Durante o dia, íamos ao campo, atrás de uma oliveira, ou de um sobreiro.
O meu avô tinha expressões muito engraçadas. A expressão que ele utilizava quando nos queria dizer que ia fazer as suas necessidades era “arrear a calça”. Eu durante muitos anos perguntei-me o que quereria dizer esta expressão, mas não me lembro de alguma vez ter perguntado.

Eu e a minha irmã, arranjámos uma vez um bordo de uma grande talha de cerâmica, daquelas onde se guardavam as azeitonas. Como o bordo dessa talha tinha as dimensões adequadas adoptamo-la como nossa sanita. E sempre que a queríamos usar tínhamos de andar a perguntar à outra atrás de que oliveira a tinha deixado da última vez que a tinha utilizado.

E éramos tão felizes nessa altura. Pergunto-me o que seria de nós agora se, por algum motivo, tivéssemos que voltar àquelas condições.

No Monte do Marquinho fiz a minha primeira experiência científica.
Como ouvia dizer que a terra de se movia, decidi comprovar. O problema é que a minha noção de terra naquela altura era algo ingénua. Qual planeta Terra qual o quê. Assim, um belo dia, decidi escavar um buraco – deve vir daí a minha paixão por escavar buracos – e espetar-lhe um pau, decidida a observar as suas movimentações.
Não me lembro quantos dias ou semanas monitorizei aquele pau, que para minha grande desilusão se mantinha estático.




Esta é uma das minha imagens favoritas do Castelo. Em primeiro plano, vê-se o poço e o tanque da horta do Monte do Marquinho.

quarta-feira, maio 07, 2008

terça-feira, maio 06, 2008

sábado, maio 03, 2008

Afinal

era só um mau contacto nuns fios e muito pó dentro da máquina.
Que alívio.
Já posso estudar Sig. Não amanhã. Porque amanhã vou escavar. Que bem que sabe!

Seis horas de aulas de Sig depois

e a uma semana do teste, a única coisa que consigo dizer é F******. Estou literalmente lixada.
Não consigo. Por muitos exercícios que faça. Por muito que gostasse de saber fazer e de perceber, não vou lá. Ou eu sou muito burra ou aquilo é demasiado difícil. Ou então é o meu cérebro que está orientado para outras coisas. Eu sempre estive, provavelmente demasiado, ligada às letras e muito pouco ligada às matemáticas e às histórias da informática. De informática sei o básico. De matemática pouco mais sei que dois e dois são quatro.. E aquilo é informática do mais avançado que há. Eu sei que é importante saber, mas não dá. Sinto-me terrivelmente deprimida com tamanha burrice.

E para culminar um dia mau, nada melhor que chegar a casa, ligar o PC para fazer mais exercícios e o PC não ligar. Ou seja, é fim-de-semana, não tenho computador nem o arcgis instalado no PC do P.

Nem posso estudar nem mandar arranjar o raio do computador. Não haveria altura melhor para a m**** do computador avariar??????????

Amanhã será outro dia. E amanhã vou escavar.

quinta-feira, maio 01, 2008

O que eu gosto mesmo

é de escavar.

O que eu também gosto muito, mas não tanto como escavar, é dirigir uma escavação.

A sensação de chegar a uma sondagem e poder escavá-la o dia inteiro sem interrupções é maravilhosa.
Dirigir uma escavação com várias sondagens a serem escavadas ao mesmo tempo e com uma equipa de 20 a 30 pessoas é complicado, cansativo e tira-me muitas vezes o prazer de escavar.
É a sensação de não se pertencer a lado nenhum.
Posso começar a escavar numa sondagem, mas depois chamam-me da outra, e depois faltam sacos, ou fichas, ou o material não está em condições, ou tenho de ir buscar alguém, ou, menos vezes felizmente, levar algum para o hospital. E quando se chega à sondagem onde estávamos já lá está mais alguém a escavar o nosso buraquinho, ou aquilo que estávamos a escavar já foi escavado. Vamos depois para outra sondagem e a história repete-se.
Eu costumo muitas vezes dar nomes ás sondagens pelas pessoas que coordenam a escavação dessas sondagens. A sondagem do M., a Sondagem do A, do U. da V. e por aí adiante. E a minha sondagem qual é? São todas e não é nenhuma.
Depois é a questão da responsabilidade. Dos voluntários que têm que ter condições mínimas para escavar, dos OTL. que tem horários diferentes e de 15 em 15 dias tem que se fazer relatório, dos cadernos de campo que têm que ser impreterivelmente feitos todos os dias e por vezes demora-se mais de duas horas, é a alimentação, dormidas seguros, a preocupação constante se falhou o registo de informação importante e toda a imensa logística que implica fazer uma escavação arqueológica.
È evidente que não estou sozinha em todas estas tarefas, mas é muito desgastante para todos nós.
E perdem-se tantas coisas giras que acontecem numa escavação. Tanta coisa e tantas histórias que nos passam ao lado e que depois ao longo do ano se vão sabendo. Tantos amores de Verão…

Esta conversa toda para dizer que o que eu gosto mesmo é de escavar, sobretudo se for à sombra como hoje foi.
Este ano só vou marcar sondagens à sombra, quero lá saber.
O sol não mata mas queima e bem.
Não que eu me queime que eu sou fanática de protector solar factor 50+. E depois uma coisa que me irrita e me mexe com o sistema nervoso é certas pessoas andarem ao sol, sem camisola e sem protector solar. Cambada de irresponsáveis…
E os joelhos que não querem estar dobrados e as malditas vertigens. Sim porque isto de ter um quarto de século tem muito que se lhe diga...

Hoje, no 1º de Maio, cheguei a casa cansada, suja, com o corpo pesado mas com a alma leve. Não, não estive a trabalhar. Estive a divertir-me a fazer aquilo que realmente gosto.

Eu já disse que gosto muito de escavar???

Sábado e Domingo há mais.
Amanhã há Sig. Ai!!!!!!