sábado, abril 29, 2006

Fonte das Gigantas



Localiza-se perto do Monte das Gigantas, na zona do Paião.
Esta foto deve ter sido tirada há pouco mais de um ano e nessa altura a erva era muito pouca. Agora quase não se vê a fonte.
Há cerca de cinquenta anos a fonte abastecia os vários montes que por ali ainda existem. Agora a sua água é imprópria para consumo, devido à falta de limpeza.

quarta-feira, abril 26, 2006

Devaneios de uma arqueóloga (pouco experiente) às voltas com um complicado relatório de escavação

ou

Problemáticas acerca da existência da Rua B e da sua interligação com a Rua A e com as restantes estruturas à sua volta



A Rua B está em pleno funcionamento. Abre-se a Rua A e fecha-se o acesso entre as duas ruas através da construção da Estrutura A.

A Rua B deixa de funcionar enquanto rua e transforma-se num beco, ou num compartimento de uma habitação, devido à existência de uma janela na Estrutura A que existe entre as duas ruas.

Abre-se uma fossa no final da Rua B e junto à Estrutura A. Mas a Estrutura A já devia estar feita antes da construção da fossa devido à existência de uma canalização embutida na Estrutura A através de uma telha e da existência de dois tijolos que fazem a ligação entre o final da canalização e o início da fossa.

A Estrutura C e o próprio Compartimento 3 foram construídos depois ou durante o entulhamento da fossa. A Estrutura C divide a fossa ao meio e assenta directamente sobre a fossa.

A própria Rua B adaptou-se à existência da fossa. O rego central da rua faz um desvio na direcção da fossa e finaliza com uma telha invertida que canalizaria as águas pluviais para o interior da fossa.

A existência de uma janela na Estrutura A quererá dizer que nalgum momento a Rua B deixou de servir como rua e começou a servir como interior de uma habitação. Mas se sim, que sentido faz a existência de uma fossa no interior de uma casa.

Terá a janela sido aberta numa altura em que a fossa estava desactivada e o seu topo dava acesso a uma casa de habitação. E que sentido faria a entrada de uma habitação que ficaria a um nível muito mais baixo da Rua B com uma fossa desactivada à porta cujas canalizações das Ruas A e B ainda estavam em funcionamento. Em caso de cheia as águas pluviais entrariam para dentro de casa, porque o acesso ao interior da casa era feito através de três degraus.

É certo que a Rua B teve em vários momentos obras de beneficiação e adaptação. A existência de espinhado com tijoleira em alguns pontos da rua não faz sentido enquanto rua exterior de passagem pública.

A construção do Muro J implicou a destruição de parte da rua B, sendo ainda visíveis os vestígios da vala de fundação do muro através de falhas da calçada.

No entanto a existência do derrube classificado como Estrutura D parece ter ocorrido antes da construção rua, porque a calçada parece adaptar-se perfeitamente ao derrube. Pode ter acontecido um arranjo da rua já depois do derrube ter ocorrido o que também não faz muito sentido.

Porque é que a mim só me calham coisas difíceis???

segunda-feira, abril 24, 2006

À Memória de

Branco, Armando Ruas, Aurélio Dias, Alfredo Ruas, Américo Gomes, Manuel Vieira Tomé, Júlio Pinto, Ferreira de Abreu, Francisco Cruz, Manuel Pestana Garcez, Ernesto Faustino, José Lopes, Manuel Salgueiro Valente, Augusto Costa, Rafael Tobias Pinto da silva, Francisco Domingues Quintas, Francisco Manuel Pereira, Pedro Matos Filipe, Cândido Alves Barja, Augusto Almeida Martins, Abílio Augusto Belchior, António Mano Fernandes, Rui Ricardo da Silva, Arnaldo Simões Januário, Francisco Esteves, , Alfredo Caldeira, Fernando Alcobia, Jaime Fonseca de Sousa, Albino Coelho, Mário Castelhano, Jacinto Faria Vilaça, Casimiro Ferreira, Albino de Carvalho, António Guedes Oliveira e Silva, Ernesto josé Ribeiro, José Lopes Dinis, Henrique Domingues Fernandes, Carlos Ferreira Soares, Bento António Gonçalves, Damásio Martins Pereira, Fernando Óscar Gaspar, Rosa Morgado, António, Júlio, Constantono, Paulo José Dias, Joaquim Montes, José Manuel Alves dos Reis, Américo Lourenço Nunes, , Francisco do Nascimento Gomes, Francisco dos Reis Gomes, José Garcia Godinho, Francisco Ferreira Marques, Edmundo Gonçalves, Manuel Augusto da Costa, Germano Vidigal, Alfredo Dinis, José António Companheiro, Manuel Simões Junior, Joaquim Correia, José Patuleia, António Lopes de almeida, Artur de Oliveira, Joaquim Marreiros, António Guerra, Militão Bessa Ribeiro, José Moreira, Venceslau Ferreira, Alfredo Dias Lima, Gervásio da Costa, Catarina Eufémia, Joaquim Lemos Oliveira, Manuel da Silva Júnior, Jos´´e Centeio, José Adelino dos Santos, Raul alves, Cândido Martins Capilé, José Dias Coelho, António Graciano Adângio, Francisco Madeira, Estevão Giro, Agostinho Fineza, Francisco Brito, David Almeida Reis, Humberto Delgado, Arajayr Campos, Manuel Agostinho Góis, Luis António Firmino, Herculano Augusto, Daniel Teixeira, Eduardo Mondlane, José António Leitão Ribeiro Santos, Amílcar Cabral, Fernando Carvalho Gesteira, José James Barneto, Fernando Barreiro dos Reis, José Guilherme Rego Arruda.


Vítimas de 48 anos de Regime Fascista!

quinta-feira, abril 20, 2006

terça-feira, abril 11, 2006

Um dia...



Vou-te comprar.

Um dia serás minha.

Não sei quando, talvez se me sair o euromilhões na próxima sexta-feira, que até é santa e tudo, e até pode fazer um milagre e assim...

Enfim, quem quiser fazer donativos está à vontade!

quarta-feira, abril 05, 2006

VIVA A PRIMAVERA!!!












E VIVA O VERÃO E VIVAM AS ESCAVAÇÕES QUE ESTÃO QUASE A CHEGAR!!!

Está a chover lá fora, mas isso agora também não interessa nada porque é Primavera e pronto!!!

terça-feira, abril 04, 2006

Chaminé

(quase centenária)

Em Santa Sofia